O que está acontecendo

O que é oncologia?

A oncologia é um ramo da ciência médica que lida com tumores e com câncer. A palavra oncologia tem origem em duas acepções, na palavra grega “onkos” (onco) que significa massa, volume, tumor e no termo “logia” que significa estudo, por tanto a oncologia é o estudo dos tumores. A oncologia está voltada para a forma como o câncer se desenvolve no organismo e qual é o tratamento mais adequado para cada tipo de neoplasia. No Brasil a oncologia é também chamada de cancerologia.

 

O que é câncer?

Câncer é o nome genérico para um grupo de mais de 200 doenças. Embora existam muitos tipos de câncer, todos começam devido ao crescimento anormal e fora de controle das células. É também conhecido como neoplasia.

 

O oncologista

O oncologista é o médico especializado no tratamento do câncer, é aquele profissional que se ocupa da abordagem geral, do cuidado do paciente  e especificadamente da prescrição de tratamentos sistêmicos como quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica.

 

Equipe multidisciplinar

Durante os últimos anos, a oncologia tornou-se uma ciência complexa. Na oncologia atual é de enorme importância a abordagem multidisciplinar no tratamento do paciente oncológico, assim o oncologista trabalha integrado a uma equipe multiprofissional e conta com a colaboração de outras especialidades médicas como patologia, radiologia, cirurgia, pediatria, psiquiatria, enfermagem, psico-oncologia, fisioterapia, nutrição e muitos outros.

 

Objetivos do tratamento oncológico

O tratamento oncológico deve ser sempre individualizado e é importante observar as necessidades e possibilidades terapêuticas de cada paciente com câncer. Os objetivos do tratamento oncológico basicamente consistem em:

 Curativo: O primeiro objetivo do tratamento oncológico é curar os pacientes para devolver-lhes um lugar na sociedade. Para isso deve prescrito um bom tratamento com a possibilidade de usar medicamentos modernos sempre com o foco e uma medicina personalizada, ou seja, orientada para aquele paciente mesmo em que a chance de cura é pequena.

• Remissão da doença: Casa a cura não seja possível de alcançar, cabe ao oncologista apontar ao paciente um segundo objetivo, que visa uma satisfatória remissão da doença, fazendo com que o paciente fique bem consigo mesmo pelo maior tempo possível, longe dos efeitos da doença e de internações.

• Cuidados paliativos: Quando a chance de remissão é remota, o objetivo passa a ser controlar a doença e seus sintomas, os cuidados paliativos consistem na abordagem para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e seus familiares, no enfrentamento da doença que oferecem risco de morte, através da prevenção e alívio do sofrimento, tratando sintomas de ordem física, psicossocial e espiritual.

 

Fonte: oncoguia.org.br

 

Receba nossa newsletter
Clique aqui que ligamos para você